ESPECIAL SÃO MAXIMILIANO - Parte 3




Mártir da caridade
A regra primeira de todo franciscano está baseada nas Sagradas Escrituras, que se fundamenta no Evangelho. Compreender São Francisco ou Frei Maximiliano, o qual comemoramos 70 anos de seu martírio, é adentrar nas Santas Palavras do Evangelho, onde estes buscaram ali um itinerário para uma vida de pobreza, castidade e obediência, ou seja, uma vida virtuosa, que consiste no desprendimento de si mesmo, para encontrar em Cristo Jesus a vida eterna que emana do seu peito.


“Para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Fl 1-21). Ao suplicar aquele pai de família pela vida, em que estava prestes a morrer nas mãos dos nazistas, Frei Maximiliano comoveu-se de compaixão e quis doar, ceder de graça a sua vida; o mesmo foi tomado de profunda caridade. É verdadeiramente um santo benévolo, que dá a sua vida de boa vontade.


Ademais, a experiência evangélica deste Santo Frade, está espelhada na Virgem Maria, que assim podemos denominá-la de portadora das virtudes celestes. São Maximiliano Maria, anunciou o Cristo que está na pessoa de Maria. O Deus que se dignou a fazer serva preferida. Não podemos falar sobre este mártir da caridade separadamente de Maria Santíssima, o qual vê nEla a sua Rainha, e como São Francisco, Rainha dos menores e da Igreja.


Celebrar o martírio deste grande Santo, assim, como ele desejava ser: “Quero ser santo e um grande santo”, é celebrar não a morte, mas a vida, a qual é eternizada pelo próprio Autor e na vida de outros que deseja imita-lo. “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos” (Jo 15-13).


Portanto, peçamos a intercessão de São Maximiliano Maria Kolbe, para que nós sejamos virtuosos e santos, que busquemos o cominho seguro para sermos verdadeiramente de Deus, cujo caminho é a Virgem Maria, a fiel observadora e cumpridora dos preceitos do Senhor.

Por: Adailton Borges- Pré-novico OFM Conv.

Relacionados aos seus interesses

0 comentários